quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Saber envelhecer

A paciência não se limita ao desgaste do tempo.
As músicas de antigamente, devolvem a cada um o mistério da infância, imperceptíveis na pressa do tempo.
O lugar de onde venho certamente me levará ao reencontro do homem-menino.

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

O Idiota

Cale a boca, seu monotemático idiota, cópia de um conteúdo sem substância.
De você tenho repúdio, asco de uma nova aproximação. Moralista, homofóbico contido!
Fique quieto pelo tempo que lhe resta, pois assim não trará ao mundo o desconforto da sua imbecilidade.
Mal sabe quem mora comigo o escroto de amigo que tem!
"O homem que não se pode mais tolerar, a gente procura torná-los suspeitos".

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

O que leminski não notou [Leminskizo]

As pessoas correm
como se a chuva viesse atrás;
já'os jovens riem e chutam
como se ela viesse de baixo.

Por Rodrigo Francisco Barbosa

domingo, 26 de fevereiro de 2012

O erro como vício da vontade

Qualquer que seja a história da cidade que se vive, a este nosso mundo não se pode impor legalmente a perfeição.
De outro modo, possíveis manifestações adquirem formas de maneira sistemática a nos manter ligados a desejos nem sempre obstante de verdadeiras verdades.
Assim, recorro constantemente à minha mente, por perceber o desvio em relação a variedade padrão da incerteza.
Por isso, tenho urgência em viver!

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Do amor Aoristo



Alguém amará ela
Qual doce aquarela
Brindando cores ao dia gris?

Alguém amará ela
Qual foto minha na janela
Caland'a vid'em pret'e branco?

Alguém amará ela
D'inocênci'e chocolate
Lavrando falas de mil bigodes?

Alguém amará ela!

Por Rodrigo Francisco Barbosa

domingo, 19 de fevereiro de 2012

A partida de Ulisses

"-Por favor, não erre mais ou use o erro como seu único amor, um amor ao desprezo!" Eram palavras de um novo Ulisses que, sem companheiros e sem uma Ìtaca que o aguardasse o retorno, rumava lânguido absorto em diálogos com seu coração. Sem ter para onde ir, esse novo Ulisses, com o auxílio de Notos silenciosos deixou-se rumar para a posteridade, para então, ser lembrado como alguém que fez do desprezo, a maior potência  homenageável que um mortal poderia experimentar: Tapou os ouvidos com cera e fez dessa mazela seu amor musical incondicional. 

Por Rodrigo Francisco Barbosa

sábado, 18 de fevereiro de 2012

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

El día gris

Llove en el rato.
El tiempo oscuro hace las personas caminar un poco más rápido para su sitios.
Yo miro, solamente.