quarta-feira, 28 de março de 2012

Monotemático

Estas palavras foram escritas pra você, catedrático em início.
Cuspindo verdades que não são sua, rascunhando o que já disseram, você se transforma no ponto morto da palavra já dita.
Se orgulha das mesmas idéias de alguém que um dia quiçá será.
Corrompido pela idéia do outro é que te transformas numa cópia barata de um livro sem nome.
O gênio que te faculta dá início a mais nova fase do seu preconceito.

sábado, 24 de março de 2012

quinta-feira, 22 de março de 2012

¿Burocratico, yo?

Tiro minhas conclusões sobre aquilo que consumo e analiso.
Portanto, não são dógmas! Estão sujeitos a reflexão do outro.
Bem vindo ao controverso espetáculo da aventura humana!

¿Pero la vida no és esto?

Mi cuerpo és un receptaculo del vida.
Tengo dos orellas que no si cansan de oir el mundo, dos ojos que retratan la naturaleza, un órgano que mata mi hambre y todavia me comunica con las personas, mismo no sendo la mejor cosa del vida.
Pero todo eso construye la atividad que busco con la practica del exercicio diário de la construcion del cotidiano.

sábado, 17 de março de 2012

Mentidor

Mentidor é o poeta
Que traz uma dor alada

Mentidor é o poeta
Que sempre mente aquém da dor

sempre como mente
o poeta,
sempre, comumente!

Por Rodrigo Francisco Barbosa

Poucafé

C'um pó'café a vid'exala
cheiro d'auroras p'la casa.

Por Rodrigo Francisco Barbosa

sexta-feira, 16 de março de 2012

terça-feira, 13 de março de 2012

À caminho da tarde

Há um momento do dia
Qu'o mund'umano cala
Na quietude da tarde
N'água d'ólhos a palavra Nada.

Por Rodrigo Francisco Barbosa

segunda-feira, 12 de março de 2012

quarta-feira, 7 de março de 2012

domingo, 4 de março de 2012

Eva


Quand'é terrível desviar os olhos
E teu riso pára ao olhar enquadro,
É ali que dorme tristeza do mundo
Qual fascínio tudo de ternur'e riso.

Quand'é med'e pejo cavalgar-lh'a face
E de gente olhando já estupefato,
Cae culpid'e Eros gotas de sorriso
Qu'Afrodite casa e m'impede o fruto.

Quand'esej'e brilho rondam tua casa
E um sorriso 'caba c'o temor do dia,
Eu contempl'a vida destes olhos lindos
Que perfume fresco untam Eva flor.

Por Rodrigo Francisco Barbosa

quinta-feira, 1 de março de 2012

Extações de Curitiba



Da construção vem a canseira
Qu'é dorminhoca embaixo d'árvore
N'inverno sol de lagartixa
Em verão dorm'e preguiç'o mundo.

Por Rodrigo Francisco Barbosa

Meu Mon


Olh'o olho a olhar
M'olhando lágrimas sem fim
Que jorr'em lind'espelho d'água
Desesperos que só'l olho jardina.

Por Rodrigo Francisco Barbosa