sexta-feira, 30 de julho de 2010

Programação contínua da linguagem escrita

Escrevo curvado, inclinado, propenso, desafetado, flutuando mas com capacidade de penetração ótica, facilitado pela visão e monitorado pelo comportamento dos sistemas de energia pessoal.
Tudo ao alcance do combustível situado a distribuição dos prazeres. Afinal de contas, operações internas são o mistério da natureza humana. Supercondutores caracterizados por duas fileiras de cílios, dirigidas por globos oculares, plugados em sistemas elétricos que nos remetem a seguimentos de um discurso ou de uma simples escrita.
Este é o vácuo das interações moleculares, reconhecendo como organismo vivo toda relação de igualdade válida para todos os valores das variáveis envolvidas.

sexta-feira, 23 de julho de 2010

A verdade sobre tudo isso é mentira.

Demonstrativos, funções, confusões contornadas por uma simples dissimulação, empregando oposições, constituindo associações absurdas, que não correspondem às essencialidades originais.
Apenas metáforas desejando encontrar a verdade sobre a mentira.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

terça-feira, 20 de julho de 2010

Olhos que espiam

Eu não tinha muito o que escrever por esses dias. Mas a presença do sol nessa terça-feira entre nuvens carregadas e céu aberto, fez com que eu resolvesse ir caminhando e observando a bela paisagem natural que se esconde entre os edifícios em Curitiba.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Dormindo no ponto

Este relato basicamente não expressa meu dia, e sim um simples fato do qual suscitou em mim uma análise associativa.
Lá estava eu, me dirigindo sentido ao tubo para pegar o ônibus que me leva ao trabalho.
No caminho uma série de coisas acontece, como por exemplo, começar a chover justamente quando me esqueço do guarda-chuvas. Ainda sofro com os imprevistos metereológicos de Curitiba.
Assim que o semáforo fechou e obtive a preferência , pude avançar pelas calçadas irregulares da cidade.
Logo a frente, em um dos pontos de ônibus dos vários que há pela cidade, pude notar uma garota à espera do seu ônibus, sentido sei lá pra onde...
Só não pude notar realmente se já havia despertado do sono.
Indagado pela pergunta e forçando um pouco mais a vista, pude perceber que a garota dormia no ponto, literalmente!
Só não sei se perdeu o ônibus... pois passei apressado e fitei apenas o ponto de partida do qual me levou a descrever o fato.
Acho que passei do ponto...

quarta-feira, 14 de julho de 2010

terça-feira, 13 de julho de 2010

Curitiba, terça feira, 13 de Julho... passo despretensioso ao dia mundial do rock

Eram sete, todos de preto atravessando a faixa de pedestre, apenas um se apoderando de uma pequena mala, dessas executivas, enquanto o velho bigodudo espreitava ao lado do tubo esperando o melhor momento para cruzar a rua. E eu observava isso tudo dentro do tubo oposto!
Eu desconfio que ando observando demais.

sexta-feira, 9 de julho de 2010

A metáfora da especulação

Longe-longe, beeemmmm longe daqui...
Num outro tempo...num outro lugar
Do outro lado de lá...
Não existe nada!

Uma flor entre ruínas

If I could describe the element that I saw walking to stride in front of me today, you would know my understanding aphasia groups specified on the dictators of new rules.