terça-feira, 30 de outubro de 2012

hasta pronto

 digame una cosa que tienes leido.
 - algunos romances de los brasileños.
entoces estás namorando las palabras.
...la despedida fue breve.



 

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Sweet Home

O fim de tarde trouxe um pensamento longo que examinava a dança da palmeira esguia.
Tanta simpatia no espaço-tempo, sincronizando o Blues ao tão desejado café da tarde.
Ainda fixo na paisagem o ar cheirava a canhamo, tomando o lugar do pensamento.
Contrastando seus sentidos rompe com o longínquo e o substitui por cafeína.

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Digerindo o mundo

Embora ainda não tenha vivido até o fim, algumas circunstâncias vividas me tiram da inércia onde o mistério perfeito é cruzar o que poderíamos imaginar quando recordamos histórias que nos fazem compreender e digerir o mundo.
A percepção e compreensão em usar o mundo de maneira inquietante, resolve o problema da permanência definitiva em um único espaço habitual.
A construção da experiência com o novo, implica na retirada do que antes era vivido sem sua vida.
O êxito em reproduzir coisas à construir outras, definitivamente, desenvolve emoções constantes a navegar nesta orbe com a possibilidade de não entender coisa alguma.

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

As coisas que chamamos de amor

Acho que o texto vai ser autoexplicativo, ok?!

Para Juliano

(...)
Bem que existe no mundo, aqui e ali, uma espécie de continuação do amor, na qual a cobiçosa ânsia que duas pessoas têm uma pela outra deu lugar a um novo desejo e cobiça, a uma elevada sede conjunta de um ideal acima delas: mas quem conhece tal amor? Quem o experimentou? Seu verdadeiro nome é amizade. (Nietzsche, Gaia Ciência, aforismo 14)

Feliz aniversário Xerox!

Por Rodrigo Francisco Barbosa

Dador

Doer, doer, doer;
Se isto é o que se tem
E s'está como se está,
Quem há de interromper?

Por Rodrigo Satis

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Chamar as coisas pelo seu nome


Não m'apetecem diminutivos
Quiçá por ora, falas que mentem
Os sons que'ocult'um belo nome
Por'isso Lúbia eu clamo em'ôde!

Por Rodrigo Satis

Em resposta ao poema anterior: O Diminutivo

O diminutivo

(sem data)

Nunca mais ser...
O diminutivo d'alguém;
Sem nome eu sou agora
Dês qu'escapou-me meu bem!

Por Rodrigo Satis

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Eu não sou pirata

 - esse que é o filho da... ?
 - ele mesmo!
 - tá tudo bem Rê; tá fazendo o que?
 - tô indo trabalhar!
 - como ela é bonita.
 - vai lá então Rê. fica bonzinho com a mãe, tá!?
 - seu nome era Jean.
O pai, vermelho de vergonha, abaixou a cabeça.
A partir daquele dia mudou completamente seu modo de viver.


terça-feira, 2 de outubro de 2012

segunda-feira, 1 de outubro de 2012